Como funciona a tributação para supermercados

A carga de impostos é uma preocupação comum para todos os tipos de empresas no Brasil, especialmente aquelas com alto volume de vendas. Por exemplo, você sabe como funciona a tributação para supermercados? 

Se não sabe, precisa aprender. Afinal, entender o custo dos impostos é essencial para poder fazer o planejamento financeiro adequado para o sucesso do seu empreendimento.  

Isso porque a falta de um bom planejamento financeiro é a causa principal para a falência de empresas no Brasil, de acordo com pesquisa do Sebrae

Se você quer saber como funciona a tributação para supermercados, siga a leitura do artigo abaixo! 

supermercados

Como funciona a tributação para supermercados? 

Um dos mais importantes aspectos a se ter em conta ao aprender como funciona a tributação para supermercados é entender que ela é dividida em 2 principais blocos: 

  • o regime tributário; 
  • os impostos pagos. 

O regime tributário é uma espécie de categoria de tributação em que o seu supermercado se encaixa. Cada um dos regimes conta com condições específicas de impostos, incluindo alíquotas ou método de cálculo. 

Já os impostos em si tendem a ser os mesmos para todos os supermercados, excetuando-se algumas questões em específico. 

Quais os regimes tributários para supermercados? 

Como dissemos, são 3 os regimes tributários disponíveis para mercados. Na verdade, existem mais regimes, só que eles não aceitam supermercados pelas suas próprias definições. Um exemplo é o MEI (Microempreendedor Individual) que só permite algumas atividades específicas, máximo de um funcionário e faturamento total de 81 mil reais por ano. 

Confira abaixo os 3 regimes tributários disponíveis para o seu supermercado! 

Simples Nacional 

O Simples Nacional é o sistema tributário mais usado no Brasil por ser um dos mais fáceis de usar e com menores alíquotas. Ele é recomendado para empresas de pequeno porte, cujo faturamento esteja entre R$360.000,00 a R$4,8 milhões por ano ou para microempresas com faturamento menor do que R$360.000,00. 

Por ter um sistema simplificado, o Simples Nacional junta todos os impostos em uma única guia, que é paga mensalmente pelas empresas. Por isso, é um excelente regime tributário para quem se encaixa nos requisitos e quer ter menos problemas burocráticos. 

No entanto, como o faturamento anual máximo é de R$4,8 milhões não são todos os supermercados que podem optar pelo Simples Nacional. 

Lucro Presumido 

O Lucro Presumido é o sistema tributário mais comum entre supermercados. Sua ideia é que o cálculo de alguns tributos são feitos em cima de uma estimativa de faturamento anual, com base no tamanho da empresa e sua atividade econômica. 

As alíquotas do Lucro Presumido são as seguintes: 

  • CSLL: 9% do lucro presumido; 
  • COFINS: 3%; 
  • PIS: 0,65%; 
  • IRPJ: 15% do lucro presumido + 10% sobre tudo que passar R$60.000,00 de faturamento trimestral. 

Para poder ter o Lucro Presumido as empresas devem faturar, no máximo, R$78 milhões por ano. 

Lucro Real 

O Lucro Real é o terceiro sistema tributário para supermercados, sendo permitido para todas as empresas, inclusive aquelas que faturam mais de R$78 milhões. Uma das suas vantagens é que você só precisa pagar alguns dos impostos caso tenha lucro no ano, o que faz com que a carga tributária possa ser menor. Já outros tributos são pagos em cima do seu faturamento mensal. 

Além disso, o Lucro Real tem uma complexidade bem maior, mas compensa por gerar alguns contextos em que a carga tributária é bem menor para a empresa. Vale lembrar também que empresas com incentivos fiscais federais são obrigadas a usar o Lucro Real. 

Confira a seguir as alíquotas desse regime tributário: 

  • COFINS: 7,6% do faturamento mensal; 
  • CSLL: 9% do lucro; 
  • PIS: 1,65% do faturamento mensal; 
  • IRPJ: 15% do lucro mais 10% de tudo que ultrapassar R$20.000,00 por mês. 

Como os impostos são calculados para supermercados? 

Em alguns dos regimes tributários citados, o cálculo do imposto é unido em uma alíquota única. É o caso do Simples Nacional. 

Já em outros, cada imposto tem a sua forma de ser calculado. No caso do Lucro Presumido, o cálculo do tributo é anual, tendo em conta uma previsão de lucro que a empresa terá no ano. 

Por isso, o sistema pode ser vantajoso caso a empresa ultrapasse essa previsão de lucro pois ela pagaria menos impostos nesse caso. 

No entanto, no caso do Lucro Real, o cálculo é preciso, o que faz com que seja melhor para a empresa que provavelmente terá um faturamento menor do que o presumido para o ano. 

Além disso, ele ainda é vantajoso porque alguns tributos são pagos mensalmente, enquanto outros são anualmente. Isso vale tanto para os produtos vendidos fisicamente, quanto os vendidos por aplicativos, como é o caso do Rappi Supermercados e outros. 

Agora você já sabe como funciona a tributação para supermercados e já pode fazer um planejamento financeiro melhor. Se precisar, não hesite em contar com um contador para ajudar nessa parte. 

Leia também:

Como trocar de contador

O que é BPO Financeiro

Como aumentar a produtividade nos negócios por meio dos serviços de terceirização